Mão pegando fogo

Fênix

Hoje eu acordei e decidi ser fênix, olhei as ruínas de tudo que havia sido destruído a minha volta, vi as cicatrizes em meu peito minhas marcas de batalha, senti o peso e o cansaço no meu corpo daqueles que já não nos deixam nenhuma força para lutar ou para reagir e então ele veio, emergindo de toda aquela escuridão, sua luz atravessava todos os destroços a minha volta, se esgueirava pelos buracos, frestas, ele banhou tudo com sua luz e ate o meu corpo morto. Mas aquele calor, eu senti na alma e lembrei de todas as boas sensações de estar vivo, a brisa que nos toca a face, a beleza do céu azul, o frio de um dia de chuva, o desabrochar da primavera e a queda das folhas no outono… são coisas tão simples que nos mostram o grande significado que tem a nossas vidas e que nos dão energia para recomeçar, para renascer.

É claro que eu não deixaria tudo aquilo para trás, apesar de ser apenas um monte de lixo empilhado, aquele lugar, algum dia já foi algo precioso, já teve vida, já foi belo, já teve um sentido e perdemos tudo quando abandonamos tudo, decidi reconstruir, recomeçar, corrigir onde errei e continuar acertando onde acertei, esquecer as coisas ruins e preservar as coisas boas, devemos fazer isso não apenas com momentos e situações, mas com nossa vida toda, com as pessoas com as quais nos relacionamos sejam amores ou amigos. Se você nota apenas os erros ou defeitos das pessoas com quem se envolve ou das situações que vive, você tem que mudar sua visão pessimista e partir para uma visão racional de mundo. Viver significa se ferir e ninguém pode fugir disso, por isso devemos ter coragem de encarar a vida.

Hoje eu me tornei fênix e renasci de quem eu era para quem sou agora e isso vai continuar sempre, pois sou um ser em transformação constante.

 📷 @launchdsigns


Sobre o autor

Piauiense e escritor. Seria fácil esboçar palavras que criassem em seu pensamento a ideia de quem sou, mas que porra de sentido isso faria se as mesmas meras palavras nas quais tentaria me descrever são meios que uso para compor fantasias em uma caótica realidade? Se queres um nome, me chamo Franklin, porém para saber quem sou, chegue um pouco mais perto e já que “talvez” você não possa, então contente-se com sua imaginação nas vagas idéias que terá sobre quem eu sou.

Publicado por

Franklin S. Monteiro

Piauiense cabra arretado, sabe?! Contador por profissão, louco por números... Que ainda acredita no amor, observador de detalhes, onde apaixonou-se por escrever e consegue colocar para fora alguns pensamentos "soltos" que a cabeça e o coração insistem em discutir.