Eu te amo, mas não se preocupa. Eu estou bem!

img_8689 – “Eu te amo.”
Começo dessa maneira por não conseguir dizer algo que descreva mais puramente o que sinto por você. E assim, dessa forma bem nervosa e direta, quero dizer que tudo bem não estarmos juntos. Tudo bem não sairmos sábado à noite como sempre sonhei. Tudo bem não te dizer os clichés do meu coração e não rir da maneira que você sorri. Tudo bem não fazer planos contigo sobre o nome dos nossos filhos ou do nosso casamento sem luxo, mas emocionante.

 – “Eu te amo.”
Não importa quantas vezes eu escute (e até acredite) que essa coisa tão linda que sinto quando você e o tempo passam é obra de quem imagina de mais e age de menos. Também não importa se você casar com aquele seu antigo amor de juventude. Eu ainda respeitarei o olhar que trocamos um dia. Não importa quantas vezes eu seja para você apenas o invisível esquecimento ou a lembrança rápida. Não importa.

 – “Eu te amo.”
Muito. De uma maneira tão bonita que sorrio só de dizer. De uma maneira tão intensa que nem os anos passados, os desprazeres e desafetos que mancharam meu coração fizeram com que sua cor se apagasse em mim. De uma maneira tão íntegra e honesta que não garanto sentir isso por outra pessoa. De uma maneira tão delicada que te mantenho seguro aqui dentro.

 – “Eu te amo.”
E não se preocupa, pois está tudo bem. Te amo tanto assim de longe, porque algo me diz que é mais conveniente amar sozinha e por mim, do que estar contigo e amar por dois.

“Eu te amo.”