Alguém sentado na estrada

Desistir é para os fortes

Pode ser que uma terceira guerra mundial seja deflagrada por se falar em desistência num mundo cada vez mais competitivo e cheio de certezas vendidas a granel.

“Desistir do que? Desistir para que? Desistir porquê?”

No mundo do imediatismo temos 5 passos para o sucesso, temos formulas para emagrecer. Toda loja feminina acredita ou impõe que toda mulher vista 38, todo homem sabe do compromisso inadiável em transformar sua barriga num tanquinho e toda criança aprende a ser capitalista nas gondolas de supermercados, e cada comercial feito especialmente para elas é uma espécie de curso de aperfeiçoamento em como constranger pais e mães a lhe darem presentes de atenção, carinhos tecnológicos e afagos  de brinquedos que acompanham um lanche. (Ou talvez seja o lanche que acompanhe o brinquedo).

Caso você ouse desistir de andar com a manada será inevitavelmente um fracasso, será aquele que não deu conta e que não aguentou o tranco da vida. Aquele seu relacionamento abusivo no qual sempre existe alguém louco por amor, desde que viver esse amor seja suprir suas próprias necessidades pode durar anos de reclamações, frustrações e decepções.

Aqueles 15 anos no trabalho que você odeia, aqueles 4 anos de uma faculdade que você jogou fora, pois jamais se vê trabalhando naquilo ou até mesmo o bom e velho habito de acreditar que coisas que se repetem e patinam como carro com pneus carecas numa poça de lama possuem algum significado místico. Na vida o que patina e se repete é algo que precisa de mudança de atitude, de posicionamento ou desistência.

Desista dos debates acalorados, eles não te movimentam, não agregam e nunca criarão frutos positivos. Desista de relacionamentos abusivos ou que desejam moldar a sua sagrada forma a imagem e semelhança de outrem. Desista de qualquer coisa que não o faça minimamente feliz. Desista de brigar com a vida, ela sempre ganha de lavada. Desista de tentar convencer, por vezes no meio de uma madrugada insone quando nossos bichos saem de debaixo da cama não convencemos nem a nós mesmos. Desista de tentar ser gente boa, isso não dá pra disfarçar por muito tempo. Desista de qualquer sonho no qual o roteiro não tenha sua coparticipação. Desista de entender e concertar sua família.

A origem etimológica dessa palavra gera conflito até hoje, alguns defendem seu surgimento da palavra em latim – “Fames” (Fome), já outras da palavra “Famulus” (Servente), que seriam, na verdade um conjunto de escravos que um senhor possuía sob seu teto. Quando o assunto é família até a história fica torta.

É claro que tudo isso pode ficar lindo num texto, mas extremamente difícil na vida prática, mas acredite a parte prática da vida é construída por nós, a vida de prática tem muito pouco. A vida é cheia de mistérios a serem desvendados, como, por exemplo, porque na gaveta de meias sempre falta um par? Porque pararam de vender aquele pirulito de doce de leite do zorro? Porque você pode dar uma palestra sobre tudo, e ao lado de uma pessoa que você acha interessante seu parco português engasga? Porque o homem é o único animal que cora?

Os porquês desses mistérios encheriam dezenas de pagina. As certezas estão cada vez mais cambiáveis, os planos infalíveis estão sempre insistindo em não serem afinal tão infalíveis assim. Desista meu caro, desista minha cara. Recomece, lave tudo com bom humor ou lágrimas, sofra o tempo que for necessário, purgue de dentro para fora e aperfeiçoe o voo. Mas lembre-se de poucas, mas sinceras verdades.

      1. Aquelas balas que parecem um dadinho de amendoim são deliciosas;
      2. A política jamais poderá melhorar se não formos seres mais políticos e menos partidários;
      3. Religiões não funcionam se você não possuir religiosidade;
      4. Não importa quantas vezes você leia esse texto, ele pode simplesmente não fazer o menor sentido pra você, e acredite, esta tudo bem;
      5. Por último e não menos importante, quando pensar em desistir repense, pese os prós e os contras, mas caso essa seja a alternativa restante liberte-se, desista e recomece sem um pingo de pudor, vergonha ou dúvida.

“Para vislumbrar melhor o mundo, por vezes o melhor a se fazer é olha-lo do planeta que orbita dentro de você.”

📷 @supremeshutter


Sobre o autor

Piauiense e escritor. Seria fácil esboçar palavras que criassem em seu pensamento a ideia de quem sou, mas que porra de sentido isso faria se as mesmas meras palavras nas quais tentaria me descrever são meios que uso para compor fantasias em uma caótica realidade? Se queres um nome, me chamo Franklin, porém para saber quem sou, chegue um pouco mais perto e já que “talvez” você não possa, então contente-se com sua imaginação nas vagas idéias que terá sobre quem eu sou.

Publicado por

Franklin S. Monteiro

Piauiense e escritor. Seria fácil esboçar palavras que criassem em seu pensamento a ideia de quem sou, mas que porra de sentido isso faria se as mesmas meras palavras nas quais tentaria me descrever são meios que uso para compor fantasias em uma caótica realidade? Se queres um nome, me chamo Franklin, porém para saber quem sou, chegue um pouco mais perto e já que “talvez” você não possa, então contente-se com sua imaginação nas vagas idéias que terá sobre quem eu sou.