Uma pessoa carregando a lua

Apenas sigo, sem esperanças

Eu não chamaria de esperança, mas na podridão de carne e ossos da qual sou feito, existe um impulso incompreendido que dá forças para sempre seguir em frente e então eu ignoro minhas dolorosas feridas e encontro forças para me levantar outra vez, e aqui estou…

Um pouco mutilado e cansado, mas convicto de que é necessário continuar lutando para cumprir aquilo que determinei como propósito, ou simplesmente por ser teimoso demais para abrir mão disso, honestamente, fico com a segunda opção, pois mesmo na minha profunda paranóia, evito mentir para mim mesmo e aceitar os fardos que existem em meu coração.

Tem dias que o ar está pesado e minha respiração ofegante, talvez sejam meus pulmões pagando o preço pelos inúmeros maços de cigarros ou talvez seja a vida colocando seu peso contra mim para me esmagar, em ambos os casos eu estou fodido.

Não possuo uma resposta, só sei que na ânsia de ver meus delírios se realizarem, eu continuo em frente indo na direção dela névoa que irá me envolver, na direção em que eu irei desaparecer, mas as minhas palavras estarão cravadas nas suas cabeças.

📷 @ig_humanplus


 

Sobre o autor

Piauiense e escritor. Seria fácil esboçar palavras que criassem em seu pensamento a ideia de quem sou, mas que porra de sentido isso faria se as mesmas meras palavras nas quais tentaria me descrever são meios que uso para compor fantasias em uma caótica realidade? Se queres um nome, me chamo Franklin, porém para saber quem sou, chegue um pouco mais perto e já que “talvez” você não possa, então contente-se com sua imaginação nas vagas idéias que terá sobre quem eu sou.

Publicado por

Franklin S. Monteiro

Piauiense e escritor. Seria fácil esboçar palavras que criassem em seu pensamento a ideia de quem sou, mas que porra de sentido isso faria se as mesmas meras palavras nas quais tentaria me descrever são meios que uso para compor fantasias em uma caótica realidade? Se queres um nome, me chamo Franklin, porém para saber quem sou, chegue um pouco mais perto e já que “talvez” você não possa, então contente-se com sua imaginação nas vagas idéias que terá sobre quem eu sou.