À moda antiga

img_4711-1É difícil ver um relacionamento hoje em dia como os de antigamente, onde os homens eram verdadeiros cavalheiros e as mulheres suspiravam de amor por seus parceiros. As pessoas andam tão esquecidas talvez de que são os pequenos gestos que mais tem valor. Ou seja, aquela velha história: os tempos mudaram, isso não se faz mais, é cafona. Pensam que é só dizer “eu te amo” e pronto, está tudo garantido. Mas na realidade não é bem assim e por isso vemos tantos relacionamentos fracassados.

Fazer alguém feliz, amar, se entregar e fazer desse amor uma razão para continuar vivendo, isso tudo não vemos hoje em dia. Sinto falta de ver essas demonstrações de afeto entre as pessoas, coisas simples, mas, que valorizam o sentimento que se carrega dentro do peito.

Aí eu me pergunto: e o amor? O que impede as pessoas de demonstrarem seus sentimentos? Sentem vergonha de serem julgadas por um ato que deveria ser exemplo? É com pequenos, mas valiosos gestos, que o amor é construído dia após dia. Não me venha com essa história de que me ama entre quatro paredes, somente na cama, no momento de prazer, sou intensidade e mereço muito mais que isso.

Eu gosto sim daquele amor à moda antiga, de segurar na mão e caminhar, de receber flores, abraços demorados e me aquecer no frio. Sou cafona sim e não tô nem aí, pois a beleza do amor está no romance, daqueles de livros antigos, onde o amor tomava conta dos corações apaixonados e do felizes para sempre.

“Amar devia ser motivo de orgulho para as pessoas, és um sentimento tão bonito em sua tamanha simplicidade”.

Em parceria com @solitudepensamentos.

 

Sobre o autor

Olá, prazer! Eu sou a Karine Capitini, uma capixaba do Sul do ES. Sou professora e tornei-me escritora por necessidade, pois os sentimentos transbordam dentro de mim. Desde então arrisco-me a colocar no papel tudo aquilo que vem na mente e no coração.

Publicado por

Karine Capitini

Olá, prazer! Eu sou a Karine Capitini, uma capixaba do Sul do ES. Sou professora e tornei-me escritora por necessidade, pois os sentimentos transbordam dentro de mim. Desde então arrisco-me a colocar no papel tudo aquilo que vem na mente e no coração.